Amor – Parte 2 – Predicados – Somente Áudio

Clínica TotalBalance
Amor - Parte 2 - Predicados - Somente Áudio
/

Dr. Sergio Klepacz da Clínica TotalBalance fala a respeito do amor.

Neste vídeo você irá conferir:

  • dois predicados do amor;
  • o amor como um anexo;
  • e o amor como um compromisso moral;
  • o papel do sexo na relação.

Siga o programa no Instagram.

Transcrição

Bom, dando continuidade aos predicados do amor, pra gente entender, assim, tentar dar um significado real, né, à questão do amor, o terceiro ponto que o autor coloca é que o amor é um anexo, né? Como se fosse um anexo à nossa vida, né, você recebe lá o e-mail e tem o anexo, né? O anexo é importante.

Então, o amor se torna um anexo importante na nossa vida. Então, sem aquela pessoa, a gente não consegue viver, né, a gente precisa daquela pessoa. E o sexo entra aí sempre no sentido… de qualquer atividade que resulta em orgasmo, prazer, resulta sempre no fortalecimento desse… dessa situação, né, do anexo.

Já a quarta, o quarto predicado do amor, é que o amor é um compromisso moral. Isso, a gente vê a partir do momento que a gente entra nos rituais da sociedade ou da religião, em relação ao casamento, né? O casamento seria a celebração desse predicado do amor, como um compromisso moral. Então, durante a cerimônia, todo o glamour, o charme, a música, né? E a toda sociedade envolvida, a família envolvida, isso é como uma marca no casal, né?

O que varia aqui, é que existe uma diferença entre como cada pessoa recebe ou introjeta esse compromisso moral. E às vezes isso é uma coisa que repercute praticamente na vida inteira da pessoa. No caso, por exemplo, da pessoa teve uma relação extraconjugal, ou no caso de divórcio, essa pessoa pode se sentir culpada por muitos e muitos anos, né? E algumas pessoas também não levam muito a sério o compromisso. Aí é uma coisa interna de cada um. E isso é uma das coisas que causam muito sofrimento em relação ao outro, quando há uma traição, quando há uma… um divórcio litigioso ou alguma questão assim, né?

Então… E aí a gente vê, a gente é sempre chamado a intervir porque o grau de angústia e o grau de depressão que acomete quando há um rompimento desse compromisso moral, alguém sempre sofre muito.

Publicado por Dr. Sergio Klepacz

Dr. Sergio Klepacz CRM 39099 – Médico psiquiatra desde 1983 pela Santa Casa de São Paulo, mestrado em psicofarmacologia pela Unifesp. Diretor da clinica TotalBalance Medicina Integrada.

Deixe uma resposta